domingo, 16 de dezembro de 2007

Almoço de domingo

Fui ao um mega-cozido à portuguesa a Vila Praia de Âncora, ali mesmo ao lado de Moledo, conhecida pela Vilamoura do Norte.
Entrei e entre a multidão, disputei educadamente um prato dessa iguaria que me fez acordar cedo e andar muitos quilómetros; sentei-me e passei uns agradáveis e deliciosos bons momentos gastronómicos.

Quase no fim, sorte minha, entrou a ASAE! Mandou confiscar tudo: panelões de cozido prontinho a ser devorado pelas centenas de pessoas que se deram ao trabalho de ir até lá.
Correu o boato de que teria havido uma denúncia anónima (claro), dizendo que as orelhas de porco tinham sido limpas com cotonetes chinesas falsificadas e o focinho do dito não teria sido assoado com lenços de papel certificados com a sigla CE!

fui logo ao hospital fazer uma limpeza ao estômago! Longe de mim querer correr o risco de ficar doente com tanta falta de segurança e tão pouca higiene! Que nojo! Foi doloroso sentir aquela sonda a descer-me pelo tubo digestivo, mas valeu a pena porque agora sei que não corro perigo de vida! Entretanto como bateu a fome, entrei logo no primeiro McDonald's que encontrei! É que apesar da comida plástica, segundo a ASAE, não há local mais seguro em Portugal para se comer do que os estabelecimentos desta cadeia alimentar.

Poderei morrer de diabetes, de ataque cardíaco, de obesidade, de cancro, mas de uma coisa estou certo: de falta de higiene é que não será, ai isso é que não!

2 comentários:

xana disse...

fartei me de rir com este texto!A ideia da orelha de porco limpo com a cotonete e o nariz do mesmo com leços certificados, é de facto genial.Consegues fazer me rir, com um assunto que so de pensar, vai pôr a chorar muito boa gente, e desta vez não vai ser à custa das cebolas!

Márcio Branco disse...

O que vale já circula na net uma petiçao que conta já com 9 mil assinaturas contra algumas medidas da ASAE, nomeadamente passar a beber café em copo de plástico e não se poder mais vender alimentos sem serem embalados em pelicula de plástico e sem falar na bolas de berlim na praia que não se pode vender.
Neste momento chegamos aos cumulo das restrições, bolas de berlim na praia é do melhor na vida!!! E vão proibir e sem falar no café em chávena de ceramica que sabe tão bem.
Ao bom estilo da Lei Seca dos anos 30 nos EUA, vamos também ter por cá estabelecimentos clandestinos, onde o material ilegal será um bom chouriço na brasa, um café em chavena de porcelana, uma bolinha de berlim sem creme e sem pelicula de plástico, um bom prato português mexido com colher de pau de madeira.
Fica aqui a sugestão, comece a ASAE a controlar a higiene da roupa interior portuguesa e vai ver que tem muita coisa para fiscalizar e assim durante uns anos esquecem as bolas de berlim.