quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Ainda o natal...

Estava eu na fila dos embrulhos (nem quero imaginar o que deve ser passar vários dias a embrulhar prendas dos outros), quando reparei que à minha frente alguém (não sei se é relevante dizer que era homem), pedia para embrulhar uma frigideira. A não ser que tal presente seja o máximo do requinte, interrogo-me: quem é que oferece uma frigideira no natal? Se fosse uma panela a vapor para cozinhar alimentos saudáveis, ainda se poderia fazer um esforço e aceitar, mas fritos?

Por norma acho que nos aniversários e no natal não se deve oferecer nada que não seja para uso e desfrute pessoal. Acho incrível que alguns maridos se convençam de que estão a fazer algo espectacular ao oferecerem aspiradores, trens de cozinha, microondas e afins com um entusiasmo de quem investiu numa jóia e está à espera de uma reacção de agradável surpresa! Muitas mulheres desfalecem, não por ficarem agradavelmente surpreendidas, mas sim por ficarem chocadas com a escolha!

Como certas pessoas só aprendem com a retribuição do que fazem, é bem feito para alguns digníssimos esposos, que as suas mulheres os mimem no dia do aniversário e no natal com um corta-relvas, um barbecue com rodinhas para o campismo ou então uma caixa de ferramentas auto. Reconheço que muitos ficariam entusiasmados com esta última sugestão e passariam ainda mais tempo de volta do "filho" de quatro rodas de quem religiosamente tratam durante toda a tarde de sábado (quando não há futebol a sério na Tv).

2 comentários:

Márcio Branco disse...

Como grande apreciador que sou das maravilhas que se consegue fazer com papel, ao ler este post sobre os embrulhos de Natal, recordei essa grande nação que é o japão, onde a arte em papel tem desde séculos um destaque muito particular. Desde o origami, ou arte de dobrar papel traduzindo a palavra, até ao próprio embrulho das prendas.
No japão existem lojas que o seu negócio não é vender material nenhum de electronica ou sequer brinquedos, o que eles vendem são embrulhos especialmente feitos para cada ocasião.
Embrulhar um presente, ou a arte de o embrulhar é muito mais do que aquilo que vemos nos hipermercados ou lojas comerciais. A arte de dobrar papel requer amor, dedicação e harmonia e daí que no japão existam lojas onde as pessoas depois de comprarem aquilo que querem oferecer vão até lá e compram um embrulho com significado.
Por exemplo, um embrulho onde são visiseis 6 pregas de papel isso é considerado uma prenda de respeito para um familiar, 10 pregas é sinal de luto e pesar, etc.
Nestes detalhes que poderão achar totalmente desprovidos de qualquer significado ou objectivo é que conseguimos medir a importancia das tradições e acima de tudo a importancia que é manusear algo tão simples como o papel e transformar algo numa obra de arte com um significado ainda maior.
Como por cá ainda estamos a anos luz deste sentimento resta-me desejar que tenham tido as prendas que desejavam pelo natal e que continuem a oferecer :-) Porque ao oferecer estamos a contribuir para espalhar o amor e harmonia :-)

aprendiz disse...

Uma verdade este post!!
É efectivamente notável, e impressionante, a falta de sensibilidade que muitas pessoas têm para comprar presentes :)
Bom ano 2008!