quarta-feira, 28 de maio de 2008

Escadas Rolantes

Sou um viajante com alguns destinos carimbados no passaporte e por onde passei nunca assisti a esse fenómeno bem português, que é viajar nas escadas rolantes do metro ou dos centros comerciais, ora à direita, ora no meio, ora de um lado e de outro no caso dos casais, outras duplas ou grupos.

Por uma questão de cortesia e civismo, nos países desenvolvidos as pessoas formam fila única à direita, como se viajassem por uma autoestrada, deixando assim a "faixa" da esquerda desimpedida para quem com pressa , não tenha o "privilégio" de se demorar, estático, a apreciar as vistas enquanto o último degrau não desaparece.

Quando peço licença para passar é muitas vezes sem disfarçar incómodo, que as pessoas lá se desviam, como se o meu pedido fosse uma afronta ou motivo de grande sacrifício.

Sendo o português um fã incondicional das filas, talvez muitos entendam que é uma atitude de "xico-espertismo" alguém querer chegar ao fim da escada primeiro que eles. Ninguém os obriga a ficar parados e toda a gente tem a liberdade de aproveitar o embalo e ir andando pelos degraus acima ou abaixo.

Se houver por aí algum sociólogo que ainda não tenha escolhido tema para uma tese de mestrado, este é um óptimo mistério a deslindar!

Um comentário:

xana disse...

Ha uma tendência generalizada para complicar o que é simples. Resistem se às regras de boa educação, cortesia e civismo.