terça-feira, 11 de março de 2008

Alternativa

Em Abrantes uma testemunha de um processo foi ouvida na rua por encontrar-se em cadeira de rodas. O edifício do tribunal não dispõe de rampa de acesso nem elevador, pelo que o juiz efectuou a sua audição ao ar livre.
Quem me dera estar a trabalhar nessas condições, sentado na escadaria, a ouvir a brisa da manhã na folhagem das árvores, a respirar o fresco ar puro, a ouvir os passarinhos a cantar, a sentir na pele os raios de sol, a cumprimentar quem passa... Assim sim, dá gosto!

3 comentários:

xana disse...

essa notícia lê-se mas não se acredita.

Anônimo disse...

E se fosse à beira mar ?? Isso é que era bom ...

Márcio Branco disse...

Pois vou contar mais uma noticia veridica, verificada com alguém próximo de mim:-)
A pessoa em causa foi chamada para ir a uma entrevista de emprego a uma fábrica, chegada lá verifica que afinal a fábrica é uma garagem de uma moradia, sem tiragem artificial ou natural. Sem janelas e com pouca iluminação artificial. Sem vestiários, sem zona de pausa/cantina, sem casa-de-banho diferenciada para ambos os sexos. Afinal de contas esta fábrica não passa de uma garagem onde trabalham 10 pessoas, com o cheiro constante a colas e com a fraca iluminação.
A pessoa em causa apresenta e denuncia no IEFP de Braga a respectiva queixa desta situação, para que o Centro saiba a razão da desempregada se recusar a ir para lá trabalhar. De seguida dirigiu-se ao Tribunal do Trabalho, para apresentar a queixa e denunciar estas condições indignas de trabalho. Agora vem a parte inexplicavel da história (ou talvez não!!!), a denuncia não pode ser feita porque a pessoa em causa não trabalha na dita fábrica, se trabalhasse já iam lá fiscalizar, como não trabalha não podem fazer nada, tem de ser um funcionário a denunciar.
Ora aqui está o belo país que temos, em termos de leis, então uma pessoa denuncia uma irregularidade e não se pode fazer nada!!! Claro que os funcionários em causa não vão denunciar porque infelizmente o trabalho precisa-se e aceitam condições menos dignas, mas uma pessoa que viu as condições não tem poder para desencadear uma inspecção??!! É de bradar aos céus e esperar que isto não seja mais do que um sonho e que ao acordar seremos todos habitantes de um país nórdico, onde a educação recomenda-se, a saúde aplaude-se e onde a cultura e o civismo são constantes.