quarta-feira, 18 de julho de 2007

Montra 1

Passei e parei. Estranhei o cartaz. Sem desrespeito por quem coloca toda a sua sapiência, gosto e sensibilidade ao serviço do rosto de uma loja como é uma montra, pensei que se retirava o que lá estava, colocava-se algo novo e já estava! Afinal não! É preciso um projecto de execução, que certamente implicará uma fase de planeamento das várias etapas, de apuramento dos materiais necessários, da logística envolvida e de uma perfeita calendarização dos diversos momentos de implantação. Uffff, certamente que será mais complicado do que parece para que quem vai na sua vidinha de cigarra descontraída ou de formiga atarefada seja seduzido ao ponto de entre tantas outras montras, parar para apreciar!...Eu parei porque o que me chamou à atenção foi o cartaz! Reconheço que não sou por impossibilidade financeira e convicção filosófica um comprador compulsivo, aquilo a que se designa vulgarmente por consumista e por isso estou vacinado contra as montras apelativas cheias de produtos que não preciso, mas acredito que haja muita gente que depois desta execução terminada se deixe levar e encantar por mais um produto exposto para gáudio de quem tanto se esforçou por vender o seu peixe, neste caso os seus sapatos!...



Um comentário:

Márcio Branco disse...

Existe até um curso de Vitrinista, o que quer dizer que fazer as vitrines já deixou de ser meramente bom gosto e estética e já obedece a outro tipo de exigências. Não deixa de ser verdade que a vitrine é a cara da loja, é o que atrai o cliente para entrar. Mas mais curioso é usualmente encontrarmos nas montras das lojas, quase sempre no chão da montra, uma pequena nota que diz "Artigos da montra já vendidos".